Sou um amante de livros, tenho verdadeira paixão por literatura. Acredito que ao ler um livro você

Sou um amante de livros, tenho verdadeira paixão por literatura. Acredito que ao ler um livro você
Sou um amante de livros, tenho verdadeira paixão por literatura. Acredito que ao ler um livro você faz uma viagem por mundos desconhecidos, mundos a serem descobertos.Este blog tem como objetivo a troca de informação literaria, a troca de conhecimento sobre livros. O blog tem em sua maxima, indicar e receber em suas paginas indicações de livros. Formando assim um forum literario de debate e incentivo a leitura. De sua sugestão, sua indicação...vamos fazer da leitura um prazer em nosso cotidiano.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Gule Gule - Cerimônia dos Dervixes Rodopiantes

O Sema é resultado da inspiração de Mevlânâ Celâleddin-i Rumî (1207 – 1273) e parte da história, cultura, costumes e crenças da Turquia. Ele simboliza em sete partes os diferentes significados de um ciclo místico para a perfeição (Ascensão – Mirac).
A ciência contemporânea confirma definitivamente que a condição fundamental da nossa existência é a rotação. Não existe um objeto ou ser que não gire, e essa semelhança compartilhada entre todos os seres é a rotação dos elétrons e prótons no interior dos átomos, que constituem a estrutura da menor partícula existente até as estrelas do céu. Como consequência dessa semelhança, tudo o que existe gira e o homem segue a sua vida, sua real existência, através da rotação no interior dos átomos, dos elementos do seu sangue, da sua vinda da terra e o seu retorno a ela, da sua rotação com a própria Terra.
No entanto, todas elas constituem rotações naturais, inconscientes. Mas o homem é o processador de uma mente e inteligência que o diferenciam e o tornam superior aos outros seres.
Dessa forma, o dervixe rodopiante, ou Semazan, faz com que a mente participe dessa semelhança compartilhada e da rotação de todos os outros seres.
A cerimônia do Sema representa uma jornada mística completa da ascensão espiritual do homem através do amor, quando ele abandona o ego, descobre a verdade e atinge o “Perfeito”.
Então ele retorna dessa jornada espiritual como um homem que atingiu a maturidade e uma perfeição maior, de forma a amar e se pôr a serviço de toda a criação, de todas as criaturas sem discriminação de credo, classe ou raça.
Com o seu chapéu cônico (pedra tumular do ego) e a sua saia branca (mortalha do ego), o dervixe nasce espiritualmente para a verdade ao retirar a capa preta, viaja e avança para a maturidade espiritual através dos estágios do Sema.
No início de cada estágio do Sema, ao cruzar os braços, ele representa o número um e testemunha a unidade com Deus.
Ao rodopiar, ele abre os braços com a mão direita virada para o céu, pronto para receber as dádivas de Deus e, fixando a mão esquerda para a terra, ele gira da direita para a esquerda, girando em volta do coração. Essa é a sua maneira de transmitir a graça espiritual de Deus às pessoas para as quais “Deus olha com uma Divina” atenção. Rodopiando em volta do coração, da direita para a esquerda, ele abrange toda a humanidade, toda a criação, com afeto e amor.
O Sema é constituído de diversas partes com diferentes significados...
A – Ele começa com um louvor “Nat-ı Şerif” ao Profeta, que representa o amor, e a todos os Profetas antes dele. Glorificá-los é glorificar a Deus, que criou todos eles.
B – Esse louvor é seguido de um som de tambor que simboliza o ordem Divina do Criador, “Kun=Seja!”
C – Segue-se uma improvisação musical instrumental “taksim” com um leitura “ney”, que representa o primeiro sopro que dá vida a tudo o que existe: O Sopro Divino.
D – A quarta parte é o cumprimento recíproco dos dervixes e a tripla caminhada circular repetida “Devri Veledi”, acompanhado por uma música chamada “peshrev”, e simboliza a saudação de uma alma à outra, ocultas por formas e corpos.
E – A quinta parte é o Sema (rodopio) e consiste de quatro saudações ou “Selam”s. No final de cada um, como no início, o dervixe testemunha a unidade com Deus pela postura.
1 – A primeira saudação é o nascimento do homem para a verdade através do sentimento e da mente. Ela representa sua concepção completa da existência de Deus como Criador e o seu próprio estado de criatura.
2 – A segunda saudação expressa o êxtase do homem ao testemunhar o esplendor da criação, diante da grandeza e onipotência de Deus.
3 – A terceira saudação é a dissolução do êxtase em amor e, portanto, o sacrifício da mente em detrimento do amor. É uma submissão completa, é a aniquilação do eu no Único amado, é a unidade. Esse estado de êxtase é o mais alto grau, definido como “Fenafillah” no Islã. No entanto, o grau mais alto do Islã é aquele que foi atingido pelo Profeta: Ele é chamado servo de Deus em primeiro lugar e, em seguida, seu mensageiro. O objetivo do Sema não é interromper o êxtase e a perda do pensamento consciente e, sim, realizá-los.
4 – A quarta saudação: Exatamente como o Profeta ascende ao “Trono” e então volta para sua missão na terra, o dervixe rodopiante, após o término de sua jornada espiritual e sua ascensão, volta à sua missão, ao seu estado de subserviência.
(Ele é um servo de Deus, de Seus profetas e de toda a criação). Sura Bakara 2, versículo 285. No final desta saudação, ele demonstra isso de novo através da postura com os braços cruzados, representando a unidade de Deus consciente e emocionalmente.
F – A sexta parte do Sema é a leitura do Corão, principalmente do Sura Bakara 2, versículo 115 (A Deus pertence o oriente e o ocidente e para qualquer lado que você olhe, verá o semblante de DEUS. Ele é Onipresente e Onipotente.
G – A cerimônia do Sema termina com uma prece pela paz das almas de todos os Profetas e crentes. Após o final do ritual do Sema todos os dervixes voltam silenciosamente para a sua meditação (tefekkür).
(GB) Sete Conselhos de Mevlana
1. Na generosidade e ajuda ao próximo, seja como o rio
2. Na compaixão e benevolência, seja como o sol
3. No segredo dos erros alheios, seja como a noite
4. Na raiva e na fúria, seja como um morto
5. Na modéstia e humildade, seja como a terra
6. Na tolerância, seja como o mar
7. E viva como você é, ou seja o que você parece ser